Empresas têm maior inadimplência no semestre desde 2009


A inadimplência das empresas recuou 5,7% em junho ante maio deste ano, mas a alta no acumulado do primeiro semestre…

A inadimplência das empresas recuou 5,7% em junho ante maio deste ano, mas a alta no acumulado do primeiro semestre é a maior para o período desde 2009. Comparando os primeiros seis meses de 2012 com igual período de 2011, o indicador de inadimplência de pessoas jurídicas aumentou 16,5%. No acumulado do semestre em 2009, a alta registrada havia sido de 35,8%. Na comparação de junho de 2012 com igual mês de 2011, a alta foi de 11,4%. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira pela Serasa Experian.
De acordo com avaliação da empresa, grande parte dos negócios de médio e pequeno portes trabalha com varejo e setor de serviços e depende do comportamento dos consumidores. Assim, uma melhora no índice de inadimplência do consumidor pode ter consequência rápida no indicador das empresas, o que explicaria o recuo na comparação mensal. Além disso, a Serasa Experian ressalta que a base de comparação de maio era bastante elevada (com alta de 9,4%) e junho teve menor quantidade de dias úteis.
Entre as razões apontadas para o resultado do semestre, estão a baixa atividade econômica registrada no ano, as taxas de inadimplência do consumidor e de empresas clientes, a dificuldade para exportar e a maior seletividade na concessão de linhas de crédito. Os economistas da empresa avaliam que o cenário deve melhorar gradualmente, com a expectativa de recuperação da atividade nacional a partir do último trimestre deste ano.
No primeiro semestre do ano, a inadimplência nas dívidas bancárias cresceu 23,9% ante igual período do ano passado. Na sequência, os protestos aumentaram 19%, seguidos por dívidas não bancárias (18,9%) e cheques devolvidos por falta de fundos (3,7%). As dívidas não bancárias contribuíram, sozinhas, com 6,1 pontos porcentuais para o aumento do indicador geral das empresas.
O valor médio das dívidas não bancárias no primeiro semestre do ano aumentou 4,3% ante igual período de 2011. Entre as dívidas não bancárias, são considerados os pagamentos a fornecedores, cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços. As dívidas com banco tiveram valor médio de R$ 5.293,25, aumento de 5,5% na comparação com igual período de 2011.
A alta no valor médio dos títulos protestados foi a maior entre os vários tipos de dívida e chegou a 10,9% no primeiro semestre deste ano, com média de R$ 1.932,23. Cheques sem fundos tiveram aumento de 6,7% no valor médio ante o mesmo período de 2011, chegando a R$ 2.203,03.
Fonte: Beatriz Bulla

—————————————————————————————————–

Trabalhando com as melhores construtoras para melhor atendê-los!

MAIS DE 200 OPÇÕES EM IMÓVEIS PARA VOCÊ!
Maiores informações:
MOACYR PIMENTA – C12455
(62)8468-4269 OI
(62)8184-1198 TIM
Nextel: (62) 7814-4621  Rádio: *55*650*5616
Msn: moacyrpimenta@yahoo.com.br
Twitter: @moratiimoveis
Facebook: Morati Imóveis
Skype: moacyrpimenta
MORATI IMÓVEIS – Tel.: (62)3087-4787

Fale com o Corretor:

________________________________________

Mais imóveis em goiânia:

www.ImoveisAltoPadraoEmGoiania.com.br
// // //
———————————————————————————

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s